Fly by night

Data de lançamento
01/01/1975
Gravadora
Mecury Records
Músicas e letras

História do álbum Fly by night

Fly by Night (1975):
Uma Nova Era: O Lirismo criativo de Neil Peart no Rush

Uma Nova Era

Fly by Night” surge como um marco divisor na carreira do Rush, uma nova era. A chegada do baterista Neil Elwood Peart trouxe um novo dinamismo rítmico ao trio, junto com sua criatividade provinda de uma mente brilhante mergulhada em extensa influência literária.

Não seria (como não é) qualquer exagero afirmar que em “Fly by Night”, a banda alçou voos com novas asas musicais. O consagrado jornalista Martin Popoff em “Contents Under Pressure: 30 Years of Rush at Home and Away” (2004) afirma que Peart era um voraz leitor, cujas influências iam de filósofos clássicos a escritores de ficção científica. Situações típicas do cotidiano eram um suprassumo de inspiração para Neil, como podemos ver em “By-Tor & The Snow Dog”, que é uma fantástica amálgama narrativa mitológica oriunda de um “trocadinho canino”. Numa festa da banda, o técnico de luz Howard Ungerleider apelidou de ‘By-Tor’ o cão do empresário do Rush – Ray Danniels, já que o bichano tinha o costume de mordê-lo. Aí vem um trocadinho com o nome”bite” que significa “morder”: By-Tor/Bite. Snow Dog é referência a cor branca do outro cão do empresário.

Pensamento Criativo

O destaque para o extraordinário conhecimento literário de Peart pode ser ainda mais apreciado na faixa título “Fly by Night”. A letra reflete uma sensibilidade quase transcendental, uma ode à liberdade e à busca pelo desconhecido, temas que ressoariam com os fãs da literatura de aventura e exploração. Peart transforma a experiência pessoal de mudança para o Canadá em uma expressão universal de mudança e descoberta, fazendo com que a música ecoe com a ressonância de uma jornada heróica pessoal.

Ademais, a técnica de Peart, já notável neste segundo álbum, evidencia seu domínio e sua abordagem inovadora à bateria, principalmente com suas principais influências: Gene Kupa e Keith Moon: como apontado em seu livro “Música para Viagem – Volume 1 “:  a primeira vez que me entusiasmei com a ideia de tocar bateria foi assistindo The Gene Krupa Story”(…) eu desenhava esboços da bateria de Keith Moon nos meus cadernos de escola, ouvia os discos constantemente e era tão fanático quanto um “fã” podia ser“.

Influências e método

Mesmo com tantas influências, Neil fez questão desde o início de sua carreira em desenvolver seu próprio estilo, tanto no quesito de composição das letras do Rush, quanto do seu método rítmico.

Caress of Steel

A Farewell to Kings

Hemispheres

Permanent Waves

Moving Pictures

Signals

Grace Under Pressure

Power Windows

Hold Your Fire

Presto

Roll the Bones

Counterparts

Test for Echo

Vapor Trails

Snakes & Arrows

Clockwork Angels